Aos Igrejados e Desigrejados...

Por Franklin Rosa

Existe um fenômeno na ambiência da espiritualidade evangélica que está crescendo de forma interessante.

Descrito com a pecha de “DESIGREJADOS”, por aqueles que fazem parte de uma nomenclatura religiosa institucionalizada, este movimento cresce de forma a provocar as mais diferentes reações por parte daqueles que identificam-se com a expressão de fé protestante.

São milhares de pessoas sérias, que desiludidas pela perversão por parte de uma liderança corrupta, autoritária e vaidosa e, pela falta de reflexão daqueles que estão debaixo da tutela mentorial dos mesmos, não suportam mais compactuar com esse estelionato travestido de Evangelho, por isso, optaram em expressar sua fé em Jesus Cristo de uma forma simples e sem a estrutura e sofisticação da religião.

“Desigrejados”, conforme artigo de Augustus Nicodemus Lopes no blogspot “O Tempora, O Mores”:
http://tempora-mores.blogspot.com/, são aqueles que participam de movimentos “Para-eclesiásticos”, e que não possuem vínculo institucional com nenhuma entidade religiosa.

Sabemos que existem expressões locais sadias de instituições religiosas evangélicas, mas por outro lado, existe uma ala na corrente dos “IGREJADOS”, que são os “Fundamentalistas Homicidas”, os “Leões de Chácara” da sã doutrina, aqueles que querem domesticar a fé e não suportam qualquer expressão de espiritualidade em Nome de Jesus que não seja dentro de suas fronteiras.

Esses, são os promotores pós-modernidade da “Santa Inquisição Evangélica”, sempre prontos à fazer uma incursão religiosa contra o inimigo, ao mínimo de desconfiança de que seus interesses estão sendo ameaçados.

A “Confraria dos Igrejados de São Constantino¹”, não admite a subversão patrocinada pela absoluta liberdade do Espírito de convergir “N’Ele” todas as coisas, inclusive os “Desigrejados”.

Aos “IGREJADOS” (e tão somente aos que perderam a noção de integridade e simplicidade do Evangelho, pois sabemos que existem pessoas que estão dentro de uma instituição e tem uma fé coerente com o Evangelho) uma advertência: Seu “Estado Vegetativo Eclesiástico Institucionalizado”, anulou a sensorialidade da verdade que diz: “Onde estiverem dois ou três” (e não onde estiverem apóstolos, profetas, evangelistas, pastores, doutores e igrejeiros) aí está a Ecklésia, que não pode ser seqüestrada pela mentalidade coronelista, marketeira e engessada dos defensores da “Hegemonia Evangélica Cristalizada”.

Aos “DESIGREJADOS” quero expressar minha profunda solidariedade, pois não dá pra admitir “A Laodicéia Desvairada” em que alguns círculos (ou seria circo?) religiosos se tornaram, e ficar passivo e omisso diante dessa “Babel Evangélica”.

¹Constantino – O cara que formatou o cristianismo no modelo institucionalizado, tornando-o a religião oficial do imperador.