8 passos para se tornar um IM...PA°STOR bem sucedido


A projeção pessoal com a exposição midiática, tem sido o foco principal de muitos líderes, num contexto religioso onde se perde e se negocia gradativamente (porque não dizer: aceleradamente) valores, princípios, conteúdos de fé e vocação ministerial.

São homens e mulheres que receberam uma “con-vocação” para serem despenseiros do Evangelho, mas que venderam sua consciência em nome de um “LUGARZINHO NA CALÇADA DA FAMA EVANGÉLICA”.

Vários hoje, daqueles que um dia sentiram o chamado legítimo e irresistível para o ministério, renderam-se ao apelo de “CELEBRIDADE GOSPEL”, e tornaram-se mais em “gestores eclesiásticos” ou “pop-star evangélico”, do que pastores que cuidam com pessoalidade e humanidade das ovelhas que lhe foram confiadas pelo Senhor.

Foi observando esse desvio de comportamento, por parte daqueles que estão em evidência no cenário religioso evangélico com exposição diária nas mídias, e por aqueles que, vendo a projeção pessoal e o destaque que as celebridades do púlpito ganharam, sendo seduzidos e tomando para si o exemplo dos mesmos, é que decidi escrever esse texto.

Deixo aqui esclarecido que, sucesso aos olhos de Deus, não é aquilo que eu faço ou tenho, e sim aquilo que eu sou em resposta a revelação do Evangelho em mim pelo Espírito do Eterno.

As percepções que escrevo abaixo, são na verdade contraditórias e diametralmente opostas as intenções verdadeiras que deveriam motivar um servo de Deus. Aí vão elas...

1º Seja um leitor compulsivo de todos os livros que tratam do tema: “Crescimento de Igreja”. Livros do Rick Warren, César Castellanos, René Terra Nova, Valnice Milhomens, entre outros, devem ter um espaço (altar de adoração) de honra no seu coração, e considerados em alta estima como: “INSPIRADOS NO CORAÇÃO DE DEUS!”, não importando o que as Escrituras digam a respeito do assunto. Encare a Igreja e o Reino de Deus na ótica do empreendedorismo capitalista, use todo tipo de metodologia que ofereça perspectiva de crescimento e multiplicação rápida. Relacione-se com seus obreiros como: “líderes em potencial para expansão de seus projetos pessoais”, não se importe com suas vidas e dificuldades pessoais, pois, “aquele que lança mão do arado não olha para trás!”. Lide com os membros de sua congregação na filosofia do “procura e oferta de mercado. Veja neles, o que o mercado secular já descobriu há muito tempo: “consumidores vorazes”, que precisam ser satisfeitos a todo custo, ainda que o produto oferecido seja de qualidade e valor duvidoso. Palavras como: “EXCELÊNCIA” e “DETERMINAÇÃO”, devem ser massivamente impregnadas no subconsciente de seus cooperadores de projeto expansionista.

2º Lance uma campanha publicitária com o tema: “Bíblia da Unção Profética Para 2011”. Como sugerido no tema, induza seus seguidores a pagarem uma quantia “SIMBÓLICA” e “ESPONTÂNEA” de R$ 2011,00, para que a manifestação da fé que sem as obras é morta, tenha validação e legitimidade no mundo espiritual. Observação: A unção tem correção monetária feita pela “Bolsa de Valores Gospel”, e é atualizada a cada fração de segundo por operadores eclesiais, portanto, aquela oferta de R$900,00 já está ultrapassada e des-inflacionada. Tenha certeza de que essa estratégia que nasceu no “coração de Deus”, vai alavancar suas ambições pessoais, possibilitando até mesmo a aquisição de um “JATINHO EVANGELÍSTICO” que é uma “galinha morta” de apenas $12 milhões de dólares, para a expansão do “Reino dos Homens”, OPS!!!, do “Reino de Deus” na terra!

3° Aprenda a arte da “articulação” política. Conchavos com candidatos em ano eleitoral é fundamental. Ceda o púlpito da sua comunidade para que as “autoridades constituídas por Deus”, possam influenciar seus liderados a votarem neles para o bem da nação e progresso da denominação. Comece na base induzindo seus obreiros, dizendo-lhes que a igreja necessita de seus representantes para defender seus interesses, pois afinal de contas Quando o justo governa, o povo se alegra, mas quando o ímpio domina, o povo suspira...”. Não há problema se o candidato não tem competência ou “ficha limpa” para o cargo, você pode ser o mentor por trás dele. Sempre apóie o candidato que lhe ofereça mais vantagens (secretarias, alvará de funcionamento, terrenos para construção, empregos para parentes, etc.), mesmo que sua ideologia seja contraditória aos valores do Reino de Deus. Não tenha receio de trocar de candidato no meio do processo eletivo, se perceber que o que você está apoiando não tem chances de se eleger, o importante é garantir uma “vaguinha” e os benefícios junto ao poder público. Sem constrangimento substitua a candidata “Karina” pelo “Terra” que já tem bagagem para presidenciável. Você pode começar nesta área, fundando um conselho de ministros interdenominacionais, ganhando a confiança de seus pares, para manobrá-los em favor de suas aspirações pessoais. CIPPEB (Conselho Interdenominacional de Pastores Políticos Evangélicos do Brasil), talvez seja uma sigla significativa e expressiva para essa entidade “representante” do Reino de Deus.

4º Desenvolva o dom sobrenatural de “Pedreiro de Jesus”. Ninguém cresce e aparece hoje, se não mostrar resultados objetivos de sua capacidade de gestão. É indispensável que você mostre que tem “VISÃO DE CRESCIMENTO”, e para isso, não meça esforços para construir a mais bela catedral ou o mais suntuoso templo ornado de utensílios preciosos que mostrem que você é filho do Rei. É preciso expandir a franquia religiosa a qualquer preço, se tiver de optar entre socorrer os necessitados ou comprar os vitrais de mosaico do “TEMPLO DA GLÓRIA DE DEUS”, não tenha dúvidas, escolha a segunda alternativa que será sua consagração como empreendedor.

5° Funde um Institudo Bíblico “Fast-Food”. Num mundo frenético e fibrilante onde a tecnologia acelera os processos de interação entre as pessoas, formar um obreiro com discipulado e mentoria pessoal, é coisa obsoleta e sujeita ao fracasso. Aprenda com as grandes redes de alimentação: Tudo tem de ser muito rápido, prático, barato e plástico, se não você vai ficar atrás de seus concorrentes religiosos que serão mais eficazes, e não terá a meta estratégica e expansionista de “Um Templo Por Dia” sendo inaugurado em toda nação ou exterior, concretizada.

6º Promova na sua Igreja uma versão tupiniquim da Disney, a “Gospel Lândia”. Uma viajem no mundo da fantasia e do entretenimento espiritual. As pessoas hoje andam estressadas e depressivas, e entendendo a necessidade de uma fuga da realidade, é que você deve juntar esforços e habilidades para entreter o povo que anda desanimado e com baixa-estima, proporcionando a eles diversão evangélica, com o intuito de mantê-los distraídos e presos ao seu produto religioso, com uma mensagem contextualizada, divertida e porque não, com muita overdose e adrenalina de experiências emocionais, com a marca de “tudo em nome da pregação do Evangelho”.

7° Seja um pregador motivacional especializado em neurolinguistica. Mestres e experts como Lair Ribeiro e Dale Carnegie, não podem se ausentar do seu currículo e da cabeceira de sua cama. Ninguém fará sucesso se constantemente ficar apontando, mesmo que seja com honestidade e a luz da exposição do Evangelho, as falhas de caráter e comportamento dos outros. Uma boa opção, é você usar frases de efeito do tipo: “Este é o ano da Vitória!”, “Deus vai te prosperar!”, “A tua benção já está chegando”, etc., com uma mescla (suruba psicológica mesmo!) de textos e expressões bíblicas fora do contexto, tais como: “Você é cabeça e não cauda”, “Deus vai suprir todas as suas necessidades”, “Somos mais que vitoriosos”, etc. Pode ter certeza, vai dar um up-grade na fé dos fiéis, e o ego de sua platéia será massageado com eles implorando: “EU QUERO É MAIS, DEUS!”.

8º Desenvolva o hábito de “cultuar” o marketing pessoal. Nem ouse aparecer em sua comunidade com carros que não sejam importados tipo fusca, fiat 147, chevette, ou outros que sejam inferior a quantia de R$ 100.000,00, muito menos de terno que não seja de grife consagrada nas passarelas da moda. Calça jeans e tênis deixaria você com aquele ar informal, e as pessoas se sentiriam na liberdade de questionar sua autoridade e vocação. As pessoas gostam e precisam de heróis, e você não pode desapontá-las se apresentando como um mero mortal, isso macularia sua auto-imagem e presença pessoal de “palco”. Não se esqueça do anel de graduação ou bacharelado, que dá uma ênfase em suas prerrogativas de “Super-Hero Acadêmico”. Não permita jamais que lhe chamem pelo seu próprio nome antes de pronunciar o título “apóstolo”, “bispo”, “reverendo” ou “pastor” e, se perceber que sua popularidade e áurea de “sumo-pontífice evangélico” está se desgastando, invente um novo título talvez: Kaiser, César, Chanceler  ou Coronel Gospel cairia bem, são só algumas sugestões.


É isso. Esses são os passos do “sucesso ministerial” e do “fracasso espiritual”. Faça sua escolha e vá adiante...