Dá pra esperar ?!

Por Franklin Rosa

“A esperança demorada enfraquece o coração, mas o desejo chegado é árvore de vida” Provérbios cap. 13 vs. 12

Quando eu era criança, essa parece que era a frase predileta de minha mãe: “Dá pra esperar?!”

Na maioria das vezes em que ouvia essa solicitação, entrava em crise existencial pré-adolescente.

Me lembro de uma vez em que queria fazer bonito com a galera da escola, e pedi pra ela me presentear com uma calça “LEE” (quem se lembra dela?), que estava na moda.

Foi então que ouvi a célebre frase: “Dá pra esperar?!”

E como disse o Buda: “Não Deseje e não sofra! O desejo é a alma do sofrer, ou,  “A origem do sofrer é o querer”, começava ai minha via crucis da agonizante espera.

Mas um dia meu sonho se realizou e ela me presenteou com uma calça jeans da “LEE -VRE FEIRA!rsrsrs

O fato é que somos imediatistas, queremos tudo pra ontem, e quando surge aquela frase indigesta e cruel com nossas emoções: “você vai ter de esperar”... ai!ai!ai!ai!ai!

Alguns surtam, outros quase, e outros tantos desistem.

Não é da nossa natureza e cultura ocidental, alimentada pelos fast-foods, lojas de conveniência e express da vida, saber lidar com essa característica  imprescindível para aqueles que desejam que seus objetivos sejam estabelecidos.

A grande maioria desiste cedo, joga a toalha, pendura as chuteiras, volta aos vômitos da mediocridade por não desenvolver a habilidade de saber aguardar e dar tempo ao tempo.   

A espera gera ansiedade, revolta, impaciência, indignação, desânimo, rupturas, gastrite, esquisitisse, enfim, gera infinitas impossibilidades e improbabilidades, que são fruto de uma visão distorcida e pré-concebida de um futuro que não pode ser mensurado na logística da alma do “aqui e agora”.

Analisando o tema podemos concluir que:

A espera pode desencadear um processo de precipitação 
Existem pessoas que se perdem e atropelam etapas da vida, tomando decisões impensadas que resultarão em muito desgosto, infelicidade e dissabores que terão de conviver para o resto da vida.
São decisões motivadas pela:
ConveniênciaOpção por aquilo que dê menos trabalho.
AnsiedadeO medo de estar desamparado no futuro.
EgoísmoNão avaliando os reflexos das conseqüências na vida de outros.
CobiçaO desejo desenfreado de querer sempre mais pra ontem.

A espera pode subtrair valores nobres de relevância para a vida
 Motivação, persistência, serenidade, coerência, ética são só alguns exemplos de princípios que são subjugados pela ânsia daquilo que não é real e palpável no momento.

A espera pode gerar um falso sentimento de complexo de rejeição
Quanta gente se sente colocada de escanteio pela vida, pelas pessoas ou até mesmo por Deus. Desenvolveram dentro de si a auto-comiseração que é fruto da necessidade de auto-afirmação e aceitação no meio em que vivem.

A espera pode fomentar a super-valorização das circunstâncias contrárias 
O resultado é conformismo e passividade. Nesse outro extremo, estão aqueles que só fazem uma leitura negativa da realidade, não tendo perspectivas que os motivem a reagirem e saírem da zona de conforto da derrota inevitável.

O “Dá pra esperar ?!” incomoda, pois na nossa agenda, tudo está atrasado! 

E antes que eu me esqueça: “Dá pra esperar ?!”