Ainda sou evangélico, mas...



Obs. – Texto em resposta aos rumores de especuladores religiosos ávidos por denegrir a imagem alheia e uma declaração para tranqüilizar amigos, irmãos e familiares que realmente se preocupam comigo e com minha familia.

Andam perguntando pra mim e sobre mim...  Você ainda é evangélico?!

Minha resposta é: SIM! Mas prefiro não perder a oportunidade de elaborar...

Devo dizer de antemão, que o fato de ser evangélico vai além dos estereótipos concebidos na mentalidade de um determinado grupo específico, que se auto-intitula e usurpa de prerrogativas de legitimidade e selo de autenticação exclusiva.

Ser evangélico é antes de tudo, ter uma vida que traduza no cotidiano a verdade do Evangelho implícita e intrínseca dentro de si como resposta as demandas da vida de alguém que foi irremediavelmente seduzido pelos valores, conteúdos e a própria essência do Cristo Vivo.

Sendo assim, não sobram quaisquer possibilidades de monopolizações que são fruto da arrogância, jactância, prepotência, soberba, imbecilização (preciso ainda citar mais algum adjetivo cabível na longa lista a nossa disposição para classificar o indivíduo em questão?!) do ser que ainda não se percebeu como uma faísca em meio ao cosmos com suas infindáveis diversidades de expressões.

Devo registrar aqui também, que sou grato as boas impressões que foram agregadas a minha alma, enquanto no processo de crescimento espiritual que foi desenvolvido no movimento evangélico no qual fui despertado para a fé, mas isso não me dá o direito, e seria desonesto com minha consciência, com Deus e com aqueles que lêem o que escrevo, compactuar com os mandos e desmandos de uma liderança inescrupulosa e com a inércia e passividade reflexiva de liderados desse movimento, que a cada dia mais se afastam numa parcela significativa e consideravelmente expressiva, da proposta de simplicidade da manjedoura de Belém de Judá.

Por essas entre outras razões, é que me faço entender que: AINDA sou evangélico, mas...

Não vou e não incentivo ninguém a ir, as “PROCISSÕES PARA JESUS” importadas para o “BRASIL DE TODOS OS SANTOS” pelo casal da “ENRIQUECENDO EM CRISTO”, pois não passa de manipulação política travestida de uma falsa unidade em torno do Evangelho.

Não vou e não incentivo ninguém a ir, aos encontros anuais dos “PANTEÕES MISSIONÁRIOS” de Camboriú em Santa Catarina, pois além do corporativismo e da manipulação política, esse congresso se caracteriza como “FABRIQUETA DE POP STAR GOSPEL” que precisa de pagamento de “ALTA$ CIFRA$” por parte do pretendente a um lugarzinho no palco da fama, além das histerias promovidas com as falsas unções e falsos milagres engendrados para provocar frenesi na caravana dos espectadores da “CRENTOLÂNDIA”.

Não compro e não incentivo ninguém a comprar, cd ou dvd das “ANES”, “ETES”, “INES”, “ATOS”, “DISTANTES DO TRONO” ou de qualquer outro, que cobre cachê exorbitante e desproporcional com a vida sofrida de milhares de ovelhas que não tem direito o que comer, mas que são relegadas ao descaso por seus líderes que patrocinam as celebridades gospel, e não gastam um centavo sequer das arrecadações que entram em seus templos com as necessidades reais de suas comunidades.

Não compro e não incentivo ninguém a comprar, livros ou qualquer outro produto religioso do “PEDIR MAI$ CEDO”, “$.$. $OMARES”, “CIFRA$ MALACHEIA”, “MONEY CEROULLA$”, “MAI$ QUE MORDE DOC” entre outros, que tratam do tema prosperidade financeira, pois é uma tentativa dissimulada de “TRANSFERÊNCIA DE RIQUEZA” do seu bolso, para suas megalomanias pessoais em nome do “EUVANGELHO”.

Não entro e não incentivo ninguém a entrar, em Igrejas que se dizem evangélicas, mas que continuam com as mesmas práticas medievais de compra de indulgência através de campanhas do “MORRO TEM MAIS”, “FOGUEIRA INSANA”, que pressionam para dar o “TRÍZIMO” e as calças também, que excomungam quem corta cabelo, quem veste calça comprida, quem assiste televisão (isso ainda existe!), que os seus liderem digam com quem a pessoa deve se casar, o que comprar por que tiveram uma revelação, onde o simples fato de discordar de alguma política eclesiástica ou regulamento estatutário, é motivo para a pessoa ser rotulada de rebelde e insubmissa e tomar uma reprimenda, (SOBROU ALGUMA IGREJA AINDA?!), bem ficaria só neste parágrafo meses a fio para catalogar as discrepâncias de algumas ambiências e lideranças religiosas...

Não entro e não incentivo ninguém a entrar, em qualquer comunidade que se diga a “BOLA DA VEZ”, com a falsa promessa e expectativa de que encontraram a fórmula da evangelização e do crescimento numérico do “POVO DE DEUS”, que priorizam os números em detrimento da qualidade, que valorizam o potencial dinâmico e expressivo de uma pessoa, mas excluem do seleto grupo aqueles que não representam nem agregam algo visível e aparente, que premiam com homenagem honrosas os que se destacam e estão em evidência, mas menosprezam os mais simples sem direito nem ao menos a um abraço.

AINDA sou evangélico, mas... mas não posso concordar e aceitar passivamente sem lutar e dar a cara pra bater contra todas as mutretas e atrocidades psicológicas que contribuem para a destruição de tudo que é vida e espiritualidade sadia, em nome de uma pseudo unidade.