Fragmentos e Contradições



Eu queria crescer, para ganhar asas de independência e alçar vôos na liberdade de quem se descobriu mentor do próprio destino.

Eu queria crescer, pois a impetuosidade juvenil não admitia que as regras inibidoras cerceassem as paixões latentes pelo mundo a ser explorado.

Eu queria crescer, para interagir com os anseios e aspirações da minha alma que eram inadiáveis na agenda intensificada pelos sonhos revolutos.

Eu queria crescer, para poder fazer valer e arrogar das prerrogativas que me conferiam o status de emancipado da tutela e sabedoria indesejáveis de quem já havia se “adultecido”.

Eu queria crescer, pois crescendo me tornava auto-suficiente para ser auto-condescendente sem a tortura das eternas explicações dos mesmos procedimentos comuns a todos os mortais.

Eu queria crescer para poder destoar, radicalizar, rebelar , embrutecer e pronunciar em alto e bom som: Eu sou dono do meu próprio nariz!

Eu queria crescer, mas estranhamente hoje eu quero retornar...

As euforias de soltar pipa no morrinho antes mesmo de ter tomado o café da manhã, candidatando-me a severas repreensões por não ter feito o dever de casa veementemente exigido pela professorinha. Aos calafrios e ansiedades do namoro juvenil que faziam acelerar o coração todas as vezes que o meu amorzinho dirigindo a palavra dizia: Oi! A velha cabana onde brincávamos de polícia/ladrão, onde preparávamos com sabor inigualável alguns alimentos que inocentemente furtávamos da dispensa da mamãe ou em algum terreno com pomar, onde fazíamos pactos de eterna fidelidade à amizade gerada nas pequenas diversões e secretas transgressões. A aventura dos acampamentos na Serra do Mursa, do nado no lagoão, das incursões de bicicleta na Serra do Japi, do drible nos seguranças para assistir as sessões circenses. Até mesmo pela tarefa doméstica diária responsabilidade inviolável para quem era apenas um adolescente, valeria a pena!

Eu queria crescer... hoje eu quero retornar... fragmentos e contradições de um ser em mutação!